www.amigosdatradicao.com.br
 


 
 
Busca
 
 
Menu
  Página Inicial
Vocabulário
  Oração do Gaúcho
  Adágios Gaúchos
  Anedotas de Gaúcho
  Dicionário Gaúcho
  Ditados Gaúchos
  Expressões Gaudérias
Costumes
  Churrasco
  Culinária
  Chimarrão
Cavalos
  Origem do Cavalo
  Nomenclatura
  Pelagem
  Fotos
Cultura
  As Lendas Gaúchas
  Os Mitos Gaúchos
  Danças Tradicionalistas
  Indumentária Gaúcha
  Tradicionalismo
História
  Cronologia Histórica
  Estrutura de um CTG
  Gaúcho e sua Origem
  Princípios Gaúchos
  Comportamento
  Ética Tradicionalista
  O Tropeirismo
  Formação da Estância
  Guerra dos Farrapos
Poesias
Músicas
  Cifras
  Letras
  Grupos Gaúchos
Galeria de Fotos
 
Participe do Portal
 
 
Receba Notícias por e-mail
 
Nome:
E-mail:

Adicionar Remover

 
Registro da Marca
   
Poesia: Amigos Eternos
 
Encilhei um mate a capricho e me perdi na estrada das lembranças,
sempre acompanhado dos meus amigos que por esta estrada passaram.
E que recordações bagualas e macanudas! Algumas me fazem sorrir baixinho,
pois me lembro dos momentos e das tertulias saudosas que tivemos.

É nesta campereada que faço, perdido em recordações,
que reponto momentos mágicos, que passei na minha vida.
Muitos são bem antigos, mas que não me fogem ao controle de minha
memória pois estou sempre a repontá-los arrodeado de amigos.

Mas hoje esta campereada não está completa.
Sobra tristeza e falta gente neste reponte.
Como se essas pessoas amigas tivesse se perdido, no horizonte,
dessas tardes morenas que só Deus sabe pintar.

Conto, um a um, esses indios guapos, amigos, que passaram
na tropeada deste meu viver, e vejo com amargura
que muitos deles ficaram pelo caminho, deixaram de andar comigo,
de charlear, cantar, matear, sorrir, de tocar, de falar do nosso Rio Grande.
Foram embora - morar em outras plagas, distantes,
onde um dia deverei passar.

Continuo mateando, com olhos perdidos
lembrando os amigos que um dia se foram.
Nesta tarde morena, mateio solito,
no meu peito há um grito tentando sair,
mas consigo retê-lo ouvindo o silencio,
que como sinuelo vem no findar do dia.
Me olho nos olhos e não olho a alegria
pois vejo a distancia um amigo partir.

A noite vem vindo e com o manto cobrindo esta tarde morena -
com jeito de dona, que trás na garupa um toque de cordeona -
Ah! É cordeona do Pedro que foi hoje cedo montado em uma brisa,
para o céu do Rio Grande.

Continuo mateando, com olhos perdidos -
lembrando os amigos que um dia se foram.


Autor: Adenir Paz

 
Portal Amigos da Tradição - 2004 | 2017 - WebMaster: Jonatan S. da Costa